César Brandão

Santos Dumont, MG, 1956. Vive e trabalha em Juiz de Fora, MG. 

Filho de operário, viveu na infância e adolescência em um bairro pobre perto das indústrias com fornos para carbureto, ferro silício. Os elementos desse contexto industrial sempre estiveram presentes em sua obra, o fogo, fumaça, produtos resultantes nas fundições, e materiais ali utilizados: cal, carvão, pedra, quartzo, sucata, etc. Além do explícito contraste entre a tecnologia daqueles fornos, diante do improviso das inúmeras “gambiarras” presentes nas casas e quintais dos habitantes do lugar.  Esse contexto gerou sua fascinação por fundições em contraste  com as gambiarras, que permeiam sua produção. Trata-se, portanto, da poética sobre essas práticas da cultura popular, em contradição aos processos industriais.

“Assim, a obra de César Brandão talvez possa, por ironia, ser definida como espécie de “canteiro de obras”, onde ocorrem contaminação ou justaposição de ações, num repertório repleto de apropriações, gambiarras, rascunhos, rasuras, próteses fundidas… entre caos e fragilidade. Um amplo território de possibilidades no limiar do efêmero e provisório, e onde “a dúvida é motor do processo”, como próprio artista define.” [parte retirada do texto do curador Agnaldo Farias para a exposição "Canteiro de Obras"]

Santos Dumont, MG, 1956.  Lives and Works in Juiz de Fora, MG  

The son of a factory worker, Brandão was born in Minas Gerais, and lived his childhood and adolescence in an industrial poor neighborhood near industries with furnaces for carbide and ferrosilicon. The elements of this industrial context have always been present in his work: fire, smoke, resulting products from these foundries and other materials from that context such as lime, coal, stone, quartz, scrap, etc. All this in addition to the explicit contrast between the technology of those ovens, and the “gambiarras’ present in the houses and backyards of that neighborhood. This context has generated his fascination with foundries in contrast with the gambiarras, that permeate his production. The artist work is therefore, about the poetics present in these practices of popular culture, in contrast with the industrial processes.

 ”Thus, the work of César Brandão ironically may perhaps be defined as a kind of “construction site”’, where a contamination or juxtaposition of actions occur, in a repertoire full of appropriations, “gambiarras”, drafts, erasures, molten prosthetics… in-between chaos and fragility. “A vast territory of possibilities at the threshold of the ephemeral and provisional, and where “doubt is the engine of the process”, as the artist himself defines.” (Excerpt from Agnaldo Farias’s curatorial text for the “Canteiro de Obras / Construction Site” exhibition).

CV

CV-Ce?sar-Branda?o-1.pdf

WEBSITE

https://www.cesarbrandao.com/

EXHIBITIONS

NEWS

OBRAS

53 x 84 cm // 1999

53 x 84 cm // 1999

1999

Carrinhos de mão, cabo de aço, alumínio fundido // 2017

Impressão jato de tinta sobre papel Hahnemühle // 2015

Fotografias, masseradores de alho em aluminio fundido, barbante, etc. Instalacao de parede com repeticao dos mesmos objetos a formarem grande mosaico. // Medidas variáveis // 2004

Pães de trigo carbonizados, barbante, cera de abelha, aço inoxidável // Dimensões variáveis // 2003