Carlos Fajardo // Cinema Mudo

18/09/2010 a 20/11/2010

Carlos Fajardo utiliza pela primeira vez a videoinstalação como suporte na videoinstalação “Cinema Mudo”. Desde os anos 60, a produção de Fajardo explora a interrelação entre a superfície, que estabelece unidade a toda sua trajetória, e outros meios. O paulistano investiga a matéria como elemento físico e construtivo por meio da lógica racional. Ele privilegiou uma experiência indeterminada de ocupação do espaço por meio de esculturas, pinturas, arquiteturas e fotografias.

O trabalho inédito de Fajardo projeta dois vídeos mudos sequenciais na Baró Galeria. As imagens não possuem grande variação e discutem o tempo. “A relação com a superfície é mantida, a projeção das imagens que captei e editei precisam de uma área e estou explorando com o vídeo”, explica o Fajardo.

O artista esteve presente em quatro edições da Bienal Internacional de São Paulo (1967, 1981, 1987 e 2001), na Bienal Brasil Século XX (1994) e em duas Bienais de Veneza (1978 e 1993). Em 1993, participou da mostra ‘Cartografias’, que passou pela Biblioteca Luiz Angel Aranjo (Colômbia), pelo Museo de Artes Visuales Alejandro Otero (Venezuela), National Gallery (Canadá), Bronx Museum (EUA) e La Caixa (Espanha).

OBRAS

Da série Cinema Mudo

impressão digital // 71x71 cm // 2010

Da série Cinema Mudo

impressão digital // 71x71 cm // 2010

Da série Cinema Mudo

impressão digital // 71x71 cm // 2003

Da série Cinema Mudo

impressão digital // 71x71 cm // 2003

Cinema Mudo

Cinema Mudo

Cinema Mudo

Cinema Mudo

Cinema Mudo