SETTLEMENTS: Ricardo Alcaide

5 April - 31 May 2014

Settlements, a segunda exposição individual na galeria do artista venezuelano Ricardo Alcaide, propõe um “assentamento” de objetos e situações que se apropriam do espaço da galeria de maneira quase invasiva e que livremente ocupam as estruturas de metal apresentadas como símbolo de imponentes arquiteturas racionalistas. “Meu principal interesse nessa mostra se define pelo escultórico-pictórico e questiona os atuais valores da Arte, o caos e o progreso descontrolado”, define o artista.

Ricardo Alcaide nasceu em Caracas e atualmente vive e trabalha em São Paulo. Sua obra reflete as inquietudes do artista em relação ao encontro entre a precariedade das metrópoles e o modernismo – referência sócio-cultural e política da América Latina – e uma intenção de medir o estado atual da sociedade através da leitura de seus dejetos e as múltiplas interpretações que dela derivam. Fotografias, pinturas, esculturas e desenhos mostram a experiência da cidade e como o homem nela habita. Ausência e impossibilidades vitais são transmitidas através da análise das presenças e das construções arquitetônicas, até chegar a geometrias abstratas.

Seus últimos projetos de destaque em 2013: a obra Intrusions, para a Galeria Tajimar, em Santiago; a participação no programa SOLO curado pela dupla Julieta Gonzalez e Pablo Leon de La Barra para a terceira edição da Artrio, Rio de Janeiro, e o solo project para a Pinta, Nova Iorque, curado por José Roca, do departamento de Arte Latino-Americana da Tate. Também, no mesmo ano, tornou-se parte da plataforma interativa Abstraction in Action, dedicada à produção contemporânea de arte abstrata na América Latina, curada por Cecilia Fajardo-Hill em parceria com a conceituada Sayago & Pardon Collection.

Para a exposição na Baró o artista apresentará uma grande instalação de prateleiras de aço industrial com agrupamentos de obras criadas em ateliê e objetos coletados na rua – convertendo seu aspecto vulnerável em algo sólido e permanente; uma série de esculturas feita de bronze, desenvolvida a partir desses objetos e outras constituídas de materiais diversos e também pinturas. Dessa forma, Alcaide evidencia o “descartável” e sua natureza vulnerável, suscetível a destruição e desaparição e que requer um exercício de observação e redescobrimento.